Flores do cerrado

As cores e a delicadeza das flores do cerrado, vistas em uma trilha no Parque Nacional de Brasília.



Foto acima: 200 mm, f/5, 1/500 s, ISO 100



Foto acima: 195 mm, f/5, 1/500 s, ISO 100



Foto acima: 110 mm, f/4.8, 1/640 s, ISO 100



Foto acima: 185 mm, f/5, 1/400 s, ISO 100


Veja também:

Araras-canindé no quintal

Vejam só quem esteve aqui: um bando de araras-canindé (Ara ararauna). Quem mais tem dessas no quintal?


Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 400


Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 360


Foto acima: f/6.1, 1/250 s, ISO 360


Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 110


Foto acima: f/5.9, 1/320 s, ISO 400


Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 280


Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 320


Foto acima: f/5.9, 1/200 s, ISO 110


Uma árvore no campo - fotografia infravermelha

A primavera estava começando no cerrado. Fotografia infravermelha a 680 nanômetros.




Foto acima: 55 mm, f/8, 1/250 s, ISO 100

Cacau, o labrador

Retrato do máximo destruidor de hortas e jardins, perseguidor de corujas e causador de dores de cabeça no adestrador, que nunca antes teve um discípulo tão teimoso.


Foto acima: f/4.4, 1/100 s, ISO 1100 

Regata no lago Paranoá

Foi no dia 8 de abril de 2018; uma regata é sempre espetáculo bonito, apesar da névoa, que prejudicou um pouco as fotos.



Foto acima: f/9, 1/1250 s, ISO 400, 300 mm



Foto acima: f/9, 1/1000 s, ISO 400, 300 mm

Gavião no playground

Exemplar jovem de gavião-carrapateiro (Milvago chimachima).



Foto acima: f/5.9, 1/500 s, ISO 125

Salto do Corumbá durante a estiagem - fotografia infravermelha

Aqui o salto do Corumbá (Estado de Goiás) aparece com pouca água, como ocorre durante os meses em que não há chuva. Fotografia infravermelha a 680 nanômetros.


Foto acima: 55 mm, f/8, 1/200 s, ISO 100